Nova Olimpia (MT), 16 de agosto de 2022 - 10:09

? ºC Nova Olimpia - MT

Geral

06/08/2022 06:17

Após arrecadar US$ 67 mil e 130 toneladas de lixo, brasileira realiza sonho e chega ao topo do Everest

Atleta contou com rede de apoio, além da ajuda de empresas parceiras e colocou em prática o projeto de sustentabilidade Sucata Everest

Aretha Duarte, 38 anos, natural do bairro Jardim Capivari, periferia de Campinas, interior de São Paulo, arrecadou US$ 67 mil (cerca de R$ 400 mil na cotação atual) e 130 toneladas de lixo reciclável ao longo de um ano para realizar um sonho: chegar ao topo do Monte Everest, no Nepal. (Cerca de 8.848 mil metros de altitude).

Os materiais juntados representaram apenas um terço do valor necessário para a expedição. A outra parte contou com doações, financiamento coletivo e patrocínio de empresas. “Realizei bazares com roupas e móveis para arrecadar dinheiro e até leilão online. Todas as ações foram voltadas à economia circular, uma forma sustável de gerar impacto positivo tanto para o meio ambiente, quanto para a sociedade”, explica a brasileira.

A ideia surgiu apos a participação da jovem em uma palestra no curso de educação física na PUC Campinas (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). “Eu nunca prestei atenção ou ouvi falar sobre este esporte. Posteriormente, visitei uma empresa especializada em expedições em alta montanha. Fiquei apaixonada pelo que vi e assisti”, lembra. “Pude compreender que se tratava de um esporte não competitivo e com contato direto com a natureza”, conta a brasileira apaixonada por causas relacionadas ao meio ambiente e sustentabilidade.

Especializada em fisiologia, nutrição, bioquímica e treinamento desportivo pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Aretha resolveu ingressar na atividade esportiva profissionalmente, atrelada a sustentabilidade, com a reciclagem de materiais, algo que já fazia na infância. “Criei o Projeto Sucata Everest, pedi a família e aos amigos que me ajudassem a juntar os materiais recicláveis. Também divulguei nas redes sociais e fui recebendo muitas doações”, explica.

O valor arrecadado garantiu os custos terrestres para a expedição no Monte Everest como: alimentação, equipe de montanhistas profissionais, acampamento, equipamentos, seguro viagem, ingressos para a participação e realização da escalada, dentre outros.

Para se preparar, Aretha realizou cursos e ampliou a sua rede de contato com pessoas que praticavam a atividade esportiva. Convidada a integrar o time de colaboradores de uma empresa do ramo de montanhismo, ela realizou escaladas pelo Brasil. “Já estive na alta montanha, Campo Base do Aconcágua, chamado Plaza Argentina, na Argentina. Local que se encontra a maior montanha das Américas, com 6.962 metros de altitude”, conta. 

O processo de preparação para a escalada ao Monte Everest se iniciou com uma viagem para o Equador, na montanha Chimborazo. “Foi um treinamento pré-Everest, que contou com uma equipe multidisciplinar de profissionais voluntários”, diz. 

A viagem ao Nepal aconteceu no dia 1º de abril de 2021 e durou 54 dias. A atleta percorreu até a base ao topo do Monte Everest. “Com a preparação física, a ajuda de médicos, psicólogos, pude chegar ao meu objetivo no topo da montanha, desafiando o clima, a temperatura e o emocional”, relata. “Chegando ao topo me senti muito empoderada, pisando num lugar realmente privilegiado. Na época, eram apenas 25 brasileiros que haviam chegado ao topo da montanha, hoje são 33 brasileiros, deste total apenas sete mulheres”, conta.


Img 20190122 wa0077
20181115 075945
5cc3155a 60da 4bfe 810c cbbefd4935b9
Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo