Nova Olimpia (MT), 16 de setembro de 2021 - 21:03

? ºC Nova Olimpia - MT

Artigos

29/06/2021 18:43

Meta a colher sim!

LUCIANA ZAMPRONI

Diariamente uma mulher é vítima de feminicídio por colocar fim a um relacionamento abusivo, seja por apanhar demais do companheiro ou também por outros motivos como por ser lésbica ou por outra intolerância.

O que será que nós enquanto sociedade devemos fazer para que nossas mulheres consigam se impor com o NÃO é NÃO?! Fazer com que os homens entendam que não queremos mais tal relacionamento?!

Confesso que fiquei impactada, em meio a tantos casos, com a notícia do jornalista José Marcondes Neto, o Muvuca, que atentou contra a vida da sua ex-namorada e, em seguida, tirou a sua própria vida.

Preocupa-me saber que, muitas vezes, o “perigo” está ao nosso lado e passa despercebido. Hoje me questionei se essa vítima Nádia Mendes se queixou para alguém o que estava se passando.

Será que ela contou para alguma amiga, vizinha, funcionário da farmácia ou familiar que o seu ex-companheiro não parava de ligar? insistia na reconciliação, incomodava ou ameaçava de morte? Será que ela acreditava que seu ex-namorado não teria coragem de cometer um feminicídio? Pois é! Será que ainda temos que seguir aquele velho ditado popular? “Em briga de marido e mulher não se mete a colher”.

A resposta é NÃO!  EU METO A COLHER! Basta do silêncio que interrompe vidas e vidas das nossas mulheres por motivos banais, se é assim que podemos dizer.

É preciso mais consciência das pessoas para superar a perspectiva de que esse assunto é de foro privado para assim oferecermos alguma para auxiliar a vítima a sair desse ciclo de violência/morte.

Quero gritar: - BASTA! CHEGA! PAREM DE CEIFAR NOSSAS MULHERES

Insistir no entendimento de que a violência doméstica é “assunto de família” e que a mulher agredida é quem deve assumir se deverá ou não expor a situação é descarregar o fardo que já vem sendo suportado há séculos; é praticar mais um ato de violência.

Peço! Ao perceber algum indício de violência doméstica e familiar, pergunte se está tudo bem em casa. Ofereça ajuda. Apoio. Diga que ela não está sozinha. Demonstre preocupação e se dispõe para buscar ajuda. 

Lembre-se sempre: “Quem ama não agride”. Caso presencie ou sofra violência doméstica, denuncie. No disque 180, pode ser prestado queixas e o denunciante tem a identidade preservada.

Quando se tratar de situação que envolve risco imediato, acione o 190 da Polícia Militar, disponível 24h por dia, em todo o território nacional.

Mulher você não está sozinha!

Luciana Zamproni, Secretária Municipal da Mulher, advogada, especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributário (IBET).


Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo