Nova Olimpia (MT), 08 de dezembro de 2021 - 18:56

? ºC Nova Olimpia - MT

Policial

25/11/2021 06:32

Bandidos usam Boa noite, Cinderela para roubar dinheiro pelo Pix

Com volta da vida noturna, maior cidade do país registra aumento deste golpe, que consiste em drogar as vítimas para assaltá-las

O mês de novembro está sendo marcado pelo retorno das festas e shows em praticamente todo o Brasil. Mas na cidade de São Paulo, quadrilhas estão faturando às custas de muita gente que sai para curtir a noite. A incidência dos casos do golpe conhecido como "Boa noite, Cinderela" cresceu na região central da capital.

O golpe é antigo e envolve uma ou mais drogas adicionadas à bebida da vítima para fazê-la ficar insconsciente. Além do roubo de bens e valores, é usada também para abuso sexual. As drogas usadas costumam ser legais (medicamentos benzodiazepínicos) ou ilegais, como cetamina — um anestésico de uso animal que tem efeito dissociativo — e GHB (ácido gama-hidroxibutirato), que pode levar à morte.

Empresário teve prejuízo de mais de R$ 16 mil

Uma das vítimas é um empresário de 35 anos que prefere não ter a identidade revelada. No feriado de 15 de novembro, ele saiu com amigos, conheceu um rapaz na balada e acordou em casa, no dia seguinte. Não encontrou o celular, o notebook e nem a carteira. "Minha memória demorou a voltar, eu estava grogue, mal conseguia sair da cama. Primeiro pensei que tivesse perdido o celular na balada, fui pegar o computador para ver se conseguia localizar [o aparelho], mas também não encontrei. Aí comecei a perceber que tinha algo de errado."

Ele pediu ajuda a uma amiga que mora no mesmo prédio, conseguiu bloquear o aparelho. Também acessou as imagens das câmeras do condomínio, que o mostram chegando acompanhado e o rapaz indo embora sozinho cerca de uma hora e meia depois. Mas o susto maior veio no dia seguinte, quando o empresário conseguiu acessar a conta bancária. "Foram várias transferências pelo Pix, uns R$ 6.000, e compras no cartão de crédito de mais de R$ 10 mil."

Mas os criminosos que aplicam este tipo de golpe não atuam só à noite. No caso de um americano que vive no Rio de Janeiro e estava de passagem por São Paulo, o assaltante foi ainda mais ousado.

O rapaz, que também prefere não ter o nome revelado, foi abordado pelo bandido no parque Trianon, na avenida Paulista, em plena luz do dia.

 

"Na quarta-feira [17/11], eu fui à academia no final da tarde. Depois, eu fui caminhando e cheguei no parque em frente ao Masp. Eu tinha um shake de whey que comprei do lado da academia, estava bebendo e fumando um cigarro em um banco. Um cara chegou em mim falando sobre um aplicativo de bicicleta que ele estava tendo problema em cadastrar."

Os dois começaram a conversar e a vítima lembra que o homem se ofereceu para buscar um cigarro de palha, que o assaltante não fumou, e duas garrafas fechadas de uma bebida alcoólica tipo ice.

"Ele voltou com essas duas garrafas de G&T que estavam fechadas, eu abri as duas garrafas, dei a primeira para ele e a segunda eu bebi. O parque fecha às 18h e a gente estava indo embora. Estávamos batendo um papo legal ainda, ficamos embaixo do Masp. Aí eu começo a não lembrar o que aconteceu realmente."

Ele se recorda de ter entrado em um carro de aplicativo chamado pelo próprio assaltante.

"Eu lembro de chegar no balcão de um McDonald's e falar que tinha pedido comida e não ter recebido. Me pediram o recibo, olhei no meu bolso e não tinha. Quando olhei para trás, esse cara não estava comigo mais."

Foi quando percebeu que havia sido roubado. Não tinha mais celular e nem cartão. "Daí eu apaguei completamente. [...] Não sei onde eu estava nesse momento."

O rapaz teve alucinações e ficou vagando pelas ruas de São Paulo por cerca de 30 horas, até começar a recobrar a consciência e ser encontrado pelo namorado.

Na cabeça dele, haviam passado somente cinco horas, mas o namorado que falou o tempo em que ele ficou desaparecido. "Eu já estava começando a voltar, mas ainda estava bem chapado", lembra.

"Um casal que estava em uma sacada percebeu que eu estava meio drogado e eles desceram para falar comigo, eu não lembro muito o que eles falaram, mas me direcionaram porque eu estava em uma parte da cidade que não era segura. Eu estava correndo na chuva tentando achar a rua Augusta [onde estava hospedado]. Várias vezes eu achei que tivesse chegado no apartamento."

Além do celular, o criminoso gastou cerca de R$ 400 no cartão de crédito dele.

Quadrilhas são estruturadas

O titular da 1ª Delegacia Seccional de Polícia, que coordena as operações de todos os dez distritos da região central da capital paulista, Roberto Monteiro, alerta que cada vez mais os criminosos que aplicam golpes do Boa noite, Cinderela estão usando o Pix para roubar dinheiro das vítimas.

"Hoje em dia, não é mais só o bem subtraído de imediato, como relógio, joia... Eles também se utilizam de cartões de crédito para os golpes e agora, especialmente, o celular para transferências bancárias por Pix e até para fazer empréstimos. [...] Teve um caso de uma pessoa que perdeu R$ 300 mil em um golpe desses."

Somente neste ano, a Delegacia Seccional do centro realizou duas operações para desarticular quadrilhas especializadas no golpe do boa noite, Cinderela: Hypnos I (fevereiro) e Hypnos II (outubro).

Na primeira, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão e um de prisão. Na segunda, oito mandados de busca e apreensão e um de prisão.

Monteiro explica que as quadrilhas são estruturadas. A pessoa que aborda a vítima na casa noturna não é a mesma que vai dar sequência aos crimes.

"Tem sempre aquele que vai fazer o contato com a vítima, homem ou mulher. Chega ali, paquera, faz aquela abordagem de conquista, depois acaba levando o autor do crime para casa, induz a pessoa ao sono com o uso de medicamentos e depois limpa tudo o que tem na casa. Cartões de crédito, eletrônicos, celular... quando esse autor chega no restante da associação criminosa, uns fazem golpes nos cartões, outros tentam tirar informações do celular para fazer Pix..."

Embora as pessoas tenham sido vítimas de um crime — roubo impróprio (Art. 157, § 1º do Código Penal) —, o delegado diz que algumas ainda resistem em procurar a polícia, principalmente por vergonha.

"Mas agora com as fraudes bancárias, a pessoa é obrigada a procurar [a polícia]. Ela pretende um ressarcimento do banco, mas os bancos estão relutantes, falam que as pessoas têm a obrigação de manter sob sua guarda as senhas bancárias. As pessoas acabam até conseguindo por via judicial esse ressarcimento."

Como evitar cair no golpe

O delegado frisa que não é só na noite que as pessoas são vítimas desse tipo de golpe. Segundo ele, nos meses em que as casas noturnas e bares estavam fechados, houve um grande número de casos associados a aplicativos de paquera.

"Eles [criminosos] marcam um encontro, geralmente na casa da vítima, e aí aplicam esse Boa noite, Cinderela. [...] Quem está praticando o roubo acaba induzindo a erro, fala que vai fazer uma bebida para os dois."

No Ceatox (Centro de Assistência Toxicológica) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, percebeu-se o aumento dos relatos de idosos vítimas deste tipo de roubo.

"A gente viu recentemente mais idosos, por conta da pandemia, eles acabaram usando mais esses aplicativos de relacionamentos e caindo nesse golpe, afirma a assistente toxicológica e farmacêutica bioquímica do Ceatox Wellingta Crizostomo Gomes Correia.

Algumas para evitar cair nesse golpe são:

• Jamais leve estranhos para a sua casa, ou até mesmo hotéis e motéis.
• Em bares ou casas noturnas, jamais aceite bebidas de outras pessoas.
• Desconfie de pessoas que demonstrem interesse excessivo.
• Pegue o contato da pessoa e marque para revê-la em outra oportunidade.
• Reduza seus limites de transferência pelo Pix.

Se você perceber que alguém pode ter sido drogado, a recomendação é encaminhar a pessoa a um serviço médico o mais rápido possível. 


Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo